A Revolução Maoísta no Tibete — Parte 4

A Opressão Retorna — Depois do Golpe na China

Duas Linhas Se Enfrentam no Tibete

Os revolucionários maoístas combateram forças poderosas dentro do Partido Comunista que queriam impor um caminho capitalista à China, incluindo o Tibete. Na Parte 3, descrevemos o programa desses “caminhantes capitalistas” – cujos líderes incluíram Deng Xiaoping. Eles se chamavam “comunistas” e falavam em construir um “poderoso Estado socialista moderno”, mas eles realmente queriam era parar a revolução depois de abolir o feudalismo. Mao Tsé-tung considerou que essas forças eram inimigos amargos da revolução – ele os chamou de “revisionistas”, “negociantes capitalistas” e “comunistas falsos”. Mao viu que sua imitação de métodos capitalistas “eficientes” traria a polarização de classe e a exploração capitalista de volta para a China. O resultado seria que a China mais uma vez seria penetrada e dominada por investidores e exploradores estrangeiros.

O contraste entre a linha comunista revolucionária de Mao e a linha capitalista dos revisionistas é muito claro em todas as questões relacionadas ao Tibete.

Continuar lendo

Anúncios

A Revolução Maoísta no Tibete — Parte 3

Guardas Vermelhos e as Comunas Populares

Solo Fértil no Tibete Para a Revolução Cultural de Mao

Em um dia ensolarado de Agosto de 1966, Mao Tsé-tung ficou em frente a um milhão de jovens Guardas Vermelhos que inundaram Pequim – e colocou uma de suas braçadeiras vermelhas. Mao Tsé-tung fez algo que nenhum outro chefe de estado da história havia feito: convocou as massas do povo a se levantarem contra o governo e o partido no poder que ele mesmo liderou. “Bombardeiem os Quarteis-generais!” ele disse. A luta intensa e histórica que ele desencadeou foi irromper pela China nos próximos dez anos – de 1966 a 1976. A Revolução Cultural Proletária estava em curso.

Dentro de alguns dias dessa grande reunião, alguns Guardas Vermelhos voaram para Lhasa, Tibete – onde sua mensagem radical encontrou uma audiência ansiosa. O novo ensino médio no Tibete tinha se formado em sua primeira classe sênior em 1964. Um núcleo de jovens de servos e escravos agora sabia ler e aprendeu princípios básicos maoístas sobre a revolução.

Continuar lendo

A Revolução Maoísta no Tibete — Parte 2

Assalto ao Céu

Revolutionary Worker # 944, 15 de fevereiro de 1998

Trazendo a Revolução ao Tibete

Em 1949, o Exército de Libertação Popular de Mao havia derrotado todos os principais exércitos reacionários na China central. O dia dos pobres e dos oprimidos havia chegado! Mas as grandes potências do mundo estavam se movendo rapidamente para esmagar e “conter” essa revolução. As tropas francesas invadiram o Vietnã, ao sul da fronteira da China. Em 1950, uma enorme força invasora dos EUA arrasaria a Coreia com planos para ameaçar a China.

As montanhas ocidentais e as pradarias das áreas fronteiriças da China são habitadas por dezenas de diferentes agrupamentos nacionais, cujas culturas são diferentes da maioria dos povos Han da China. Uma dessas regiões, o Tibete, havia sido governada localmente como um reino isolado e “à prova d’água” por uma classe de servos, liderados pelos abades dos grandes mosteiros budistas lamaístas. Durante a guerra civil chinesa, a classe dominante do Tibete conspirou para criar um estado falso “independente” que estava na verdade sob a ala do colonialismo britânico.

Continuar lendo