Resposta breve a um trotskista no grupo Josef Stálin

0241

Lenin discursando no III Congresso da Internacional Comunista

A posição do Comintern sobre a Revolução Chinesa, que corretamente consideraram que era essencialmente anti-feudal. Ou seja, além de ser anti-imperialista, era uma revolução agrária que combatia os atrasos pré-capitalistas, ponto fundamental que Trotsky negava (e tal ideia errônea poderia até mesmo justificar a vitória do Kuomintang, já que em tal situação uma revolução proletária e camponesa não seria, supostamente, necessária). Isso tem origem na subestimação do campesinato, ideia que faz parte também da teria trotskista da Revolução Permanente, que Lenin já criticou duramente (e tal fato é censurado pelos trotskistas). Sabe-se lá de onde tiraram que “Stalin queria que o PCCh se desfizesse e se integrasse ao KMT”; talvez tenha sido de alguma cartilha trotskista obscura… Enfim, o PCCh sempre teve um respeito enorme por Stalin; já fizeram críticas construtivas; conheciam a dialética. Diferente de quem pinta Stalin como um monstro.


Lenin em 1915, “Sobre a Palavra de Ordem dos Estados Unidos da Europa”:

“A desigualdade do desenvolvimento económico e político é uma lei absoluta do capitalismo. Daí decorre que é possível a vitória do socialismo primeiramente em poucos países ou mesmo num só país capitalista tomado por separado. O proletariado vitorioso deste país, depois de expropriar os capitalistas e de organizar a produção socialista no seu país, erguer-se-ia contra o resto do mundo, capitalista, atraindo para o seu lado as classes oprimidas dos outros países, levantando neles a insurreição contra os capitalistas, empregando, em caso de necessidade, mesmo a força das armas contra as classes exploradoras e os seus Estados. A forma política da sociedade em que o proletariado é vitorioso, derrubando a burguesia, será a república democrática, que centraliza cada vez mais as forças do proletariado dessa nação ou dessas nações na luta contra os Estados que ainda não passaram ao socialismo. É impossível a liquidação das classes sem a ditadura da classe oprimida, o proletariado. É impossível a livre unificação das nações no socialismo sem uma luta mais ou menos longa e tenaz das repúblicas socialistas contra os Estados atrasados”.


Lenin em 1916, “Programa Militar da Revolução Proletária”:

“O desenvolvimento do capitalismo ocorre de maneira extremamente desigual nos vários países. Não pode ser diferente sob o sistema de produção de mercadorias. Disto segue-se inevitavelmente que o socialismo não pode alcançar a vitória simultaneamente em todos os países. Alcançará vitória primeiro em um ou alguns países, enquanto outros permanecerão burgueses ou pré-burgueses por algum tempo”.


Lenin em 1921, no III Congresso do Comintern, 5 de julho, “Relatório sobre as táticas do PCR”:

“Quando começamos a revolução, pensamos: ou a revolução internacional vem para nossa assistência, e nesse caso nossa vitória seria totalmente assegurada, ou deveríamos fazer nosso trabalho revolucionário modesto com a convicção de que mesmo em caso de derrota teríamos servido a causa da revolução e que nossa experiência seria benéfica a outras revoluções. Na realidade, entretanto, os eventos não ocorreram em linha reta como esperamos. Nos outros países maiores, mais desenvolvidos a revolução não veio até hoje”.


Caso digam que isso é contrário ao que defendia Stalin, mostro algo do mesmo que provavelmente desconhecem, e que deixa claro o que é realmente o “socialismo em um só país” de Lenin e Stalin, quando este afirmou:

“A revolução vitoriosa num país tem por tarefa desenvolver e sustentar a revolução nos outros países”.

Anúncios

A revolução proletária em um ou alguns países

Do excelente livro Sobre Os Fundamentos do Leninismo, de Joseph Stalin:

Se é justa a tese de que a vitória definitiva do socialismo, no primeiro país a se libertar, é impossível sem os esforços comuns dos proletários de vários países, não é menos verdadeiro que a revolução mundial se desenvolverá tanto mais rápida e profundamente quanto mais eficaz for a ajuda do primeiro país socialista às massas operárias e trabalhadoras de todos os outros países. Em que deve consistir essa ajuda? Em primeiro lugar, no fato de que o país vitorioso realize “o máximo realizável num só país para desenvolver, apoiar, e despertar a revolução em todos os países”. (Vide Lenin, Obras Escolhidas vol. XXIII, pág. 385).

Em segundo lugar, no fato de que “o proletariado vitorioso” de um país, “depois de expropriar os capitalistas e de organizar no seu país a produção socialista”, se subleve “contra o resto do mundo capitalista, atraindo para o seu lado as classes oprimidas dos outros países, estimulando-as à insurreição contra os capitalistas, intervindo, caso necessário, até mesmo com a força das armas contra as classes exploradoras e os seus Estados” (Vide Lenin, Obras Escolhidas vol. XVIII, págs. 232-233).

Tony Clark – Sobre as origens da teoria do socialismo em um só país

Neste artigo, examinamos as origens da teoria do “socialismo em alguns, ou mesmo num só país capitalista tomado isoladamente”. Tal esforço se faz necessário para contrapor a recorrente lenda, criada e difundida pelo trotskismo, de que tal teoria teria sido criada por Stalin em 1924, bem como de que servisse como expressão da estreiteza nacional de uma crescente burocracia soviética conservadora. Este estudo nos revela que esta teoria já estava presente na resposta dos bolcheviques à traição dos partidos socialdemocratas europeus ao ideal da revolução proletária, o que se deu logo após a eclosão da Primeira Guerra Mundial em 1914 (que os bolcheviques denunciaram como a guerra imperialista). A incompreensão de Trotsky, ou mesmo sua recusa em aceitar esta concepção leninista, nos mostra que seu rompimento com o menchevismo foi parcial, além de apontar a compreensão ultra-esquerdista que tinha do processo revolucionário mundial. Para sermos breves, empregaremos o termo “socialismo em um país” ao invés de “socialismo em alguns, ou mesmo em um único país tomado isoladamente”.

Esta foi, de fato, a disputa mais acirrada na história do movimento revolucionário marxista. Nos debates que giravam em torno da própria natureza do processo revolucionário mundial, tratava-se do papel a ser desempenhado pelo socialismo, caso este obtivesse a vitória somente em alguns, ou mesmo num único país capitalista. Levantada primeiramente no conflito entre Lenin e as correntes oportunistas da Socialdemocracia, esta questão mais tarde se transfiguraria na disputa entre Stalin e Trotski. Mas por que tal debate foi tão central? A resposta pertence à ordem do tempo, e pode ser encontrada na natureza da época em que vieram à tona.

Continuar lendo

Socialismo em um só país, por LENIN

A desigualdade do desenvolvimento econômico e político é uma lei absoluta do capitalismo. Daí decorre que é possível a vitória do socialismo primeiramente em poucos países ou mesmo num só país capitalista tomado por separado. O proletariado vitorioso deste país, depois de expropriar os capitalistas e de organizar a produção socialista no seu país, erguer-se-ia contra o resto do mundo, capitalista, atraindo para o seu lado as classes oprimidas dos outros países, levantando neles a insurreição contra os capitalistas, empregando, em caso de necessidade, mesmo a força das armas contra as classes exploradoras e os seus Estados.

V. I. Lenin sobre uma de suas contribuições originais ao marxismo, o “socialismo em um só país”.

Fonte: http://www.marxists.org/portugues/lenin/1915/08/23.htm

Sobre a Palavra de Ordem dos Estados Unidos da Europa, 23 de agosto de 1915