Bill Bland ― Existe um mercado sob o socialismo?

Original em inglês: http://ml-review.ca/aml/BLAND/MarketUnderSocialism.html

Foi sugerido durante o debate que o termo “mercado” tinha relevância apenas para uma sociedade capitalista. Mas o dicionário define o termo “mercado” como

“A demanda .. (por uma mercadoria).” [demand (for a commodity)] (‘Dicionário Oxford de Inglês’, Volume 9, Oxford, 1979;. P 305).

e o termo “demanda” como:

“Uma chamada para uma mercadoria por parte dos consumidores”. [a call for a commodity on the part of consumers] (‘Dicionário Oxford de Inglês’, Volume 4, Oxford, 1979;. P 430).

Continuar lendo

Anúncios

Educação de Cuba é a melhor da América Latina

Do blog AvanteEducadores

Cuba é o país da América Latina que melhor cumpre as metas sobre acesso e qualidade de ensino estabelecidas pela Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura). Numa lista de 128 países, a ilha está em 14º lugar, à frente de países ricos, como Espanha (17º), Suíça (20º) e Bélgica (23º). Os três primeiros da lista são Noruega, Japão e Alemanha, respectivamente. O Brasil está em 88º. Estados Unidos e Canadá não foram listados.

“Estudantes do ensino básico em Cuba tiveram um desempenho extremamente bom”, diz o relatório, apresentado em janeiro. No país, constatou-se que mais de 85% dos alunos têm habilidade de leitura considerada além do básico. E mais de 40% alcançaram o nível mais alto.

Um anexo do documento mostra que a situação na América Latina é desigual. Por um lado, Cuba, a Argentina (38ª posição no ranking geral) e o Uruguai (39ª) obtiveram os melhores resultados da região e estão perto de alcançar o grau de “educação para todos” – ou seja, em que 100% dos alunos concluem o ensino básico. O México (55ª), Trinidad e Tobago (57ª) e a Venezuela (59ª) também estão próximos deste objetivo. No extremo oposto, estão República Dominicana (97ª), Guatemala (98ª) e Nicarágua (101ª).

Continuar lendo

Hungria: as consequências desastrosas do capitalismo

kilakoltatas

Polícia húngara e empresas de segurança privada costumam realizar remoções como na foto, de Balrad.

Recentes pesquisas de opinião revelam que a maioria do povo húngaro considera a vida tão miserável que gostaria de viver em qualquer outro país. Muitos consideram que a vida era muito melhor antes de 1989, quando o povo desfrutava de pleno emprego e de um avançado sistema de bem-estar social. O capitalismo destruiu tudo isto. O que se exige são a posse estatal dos bens e o planejamento, mas sob o controle democrático dos próprios trabalhadores.

“O povo já não desfruta de pleno emprego. A pobreza e o crime aumentam. O povo trabalhador já não tem acesso à ópera ou ao teatro. A TV caiu de qualidade assombrosamente – ironicamente nunca tivemos o Big Brother… mas agora o temos”.

A que país e a que período se refere esta citação? Grã-Bretanha, América, qualquer um da Europa? Há quarenta, há vinte anos ou hoje? Podia referir-se a todos ou a algum deles, mas é de um artigo que apareceu na edição da internet do The Daily Mail. Mail on-line em outubro de 2009 e se refere à Hungria.

Continuar lendo

Petkovic fala sobre socialismo

Por “Ortega”

Ana Maria Braga: Como foi nascer num país com tanta dificuldade?

Petkovich: Quando nasci não tinha dificuldade nenhuma, era um país
maravilhoso, vivíamos um regime socialista, todo mundo bem, todos tinham
salário, todos tinham emprego. Problemas aconteceram depois dos anos 80.

http://globoesporte.globo.com/Esportes/Noticias/Times/Flamengo/0,,MUL1484475-9865,00-ENTRE+O+CAFE+E+O+SAMBA+PET+AFIRMA+O+MELHOR+TIME+DO+MUNDO+E+O+FLAMENGO.html

Logo no inicio Pet fala sobre a vida no regime comunista iugoslavo, que mesmo com todas suas falhas relacionadas a uma certa falta de controle da economia seguia sendo superior ao capitalismo – a restauração do mesmo na Iugoslávia, URSS, leste europeu e etc, somente trouxe desgraça(saiba mais com um estudo da ONU: http://www.fetecsp.org.br/index2.php?option=com_content&do_pdf=1&id=8262)

www.bolchevista.wordpress.com

Um fantasma ronda o mundo…

A seguir, uma pequena atualização do Manifesto do Partido Comunista feita por mim:

Um fantasma ronda o mundo – o fantasma do Marxismo-leninismo. Todos os grupos políticos unem-se numa Santa Aliança para conjurá-lo: os conservadores e liberais, radicais anarquistas, trotskystas e espontaneístas, fascistas e nazistas. Que partido de oposição não foi acusado de “stalinista” por seus adversários no poder? Que partido de oposição, por sua vez, não lançou a seus adversários de direita ou de esquerda a alcunha infamante de “stalinista”?

Duas conclusões decorrem desses fatos:

1ª) O Marxismo-leninismo já é reconhecido como força por todas as potências do mundo.

2ª) É tempo de os comunistas exporem, à face do mundo inteiro, seu modo de ver, seus fins e suas tendências, opondo um manifesto do próprio partido à lenda do espectro do Marxismo-leninismo.