“Tal país ou líder comunista não seguiu o que Marx e Engels idealizaram”

Esse post fica para posterior expansão e aprofundamento. Por enquanto, posto aqui uma ideia central para refutação dessa confusão comum em leigos. Ela aparece no livro A Ideologia Alemã (escrito por Marx e Engels e que considero ser uma obra mais importante que o Manifesto e o Capital para a formação dos comunistas).

“O comunismo não é para nós um estado de coisas que deva ser estabelecido, um ideal pelo qual a realidade terá de se regular. Chamamos comunismo ao movimento real que supera o atual estado de coisas. As condições deste movimento resultam da premissa atualmente existente”.

Constituição da República Popular da China (1954)

Fonte: Problemas – Revista Mensal de Cultura Política nº 63 – Nov de 1954.

Preâmbulo

Como resultado de mais de um século de luta heróica, o povo chinês — sob a direção do Partido Comunista da China — alcançou finalmente, em 1949, uma grande vitória na revolução popular contra o imperialismo, o feudalismo e o capital burocrático; liquidou, assim um longo período de opressão e escravidão, e criou a República Popular da China, ditadura democrática do povo. O regime de democracia-popular na República Popular da China — isto é: o regime da nova democracia — assegura a nosso país a possibilidade de liquidar por via pacífica a exploração e a miséria, e de construir uma sociedade socialista, próspera e feliz.

Continuar lendo

Os marxistas e o Tibet, por Carlos Marques

Todo marxista deve ser contra a intervenção e intenção de subversão imperialista provocada pelo governo dos Estados Unidos contra o povo chinês. O Tibet foi, é e até quando o povo quiser, será da China.

A posição de certos ditos “esquerdistas” só confirma aquilo que Eduard Limonov costuma dizer, hoje em dia não interessa se você é de esquerda ou de direita, mas sim se é a favor ou contra o Sistema. Os lamas querem estabelecer no Tibet uma ditadura totalitária e feudal em conluio com o governo americano, que por sinal financia o Dalai Lama, a fim de garantir a instalação de tropas americanas na região. O Exército Americano é como uma praga de gafanhotos, se espalha por toda parte e causa danos incomensuráveis.

Posto aqui alguns vídeos bastante relevantes sobre a situação do Tibet:

Michael Parenti – Tibet: Feudalismo amistoso?
http://www.youtube.com/watch?v=WWGGjpJJCKE
(Entrevista com o famoso cientista político americano autor de “O assassinato de Júlio César” e “A cruzada anti-comunista”)

Obs.: O vídeo foi deletado, há agora apenas a versão original, em inglês e sem legendas:

Para ler o texto de Michael Parenti sobre o assunto:

http://www.michaelparenti.org/Tibet.html

http://www.scribd.com/doc/16447664/Parenti-Michael-Feudalismo-amistoso-El-mito-de-Tibet-2004 (em espanhol)

O Tibet FOI, É e SEMPRE será uma parte da China


(Vídeo bastante eloquente com fatos e fotos para você mostrar para o seu cachorro, ou melhor, esquerdista ou reacionário favorito)

Enquanto as pessoas continuarem a adotar atitudes lemingues, a agir como lemingues e pensar como lemingues, continuaremos na mesma fossa intelectual e tornaremos o mundo igual ou pior do que aquele em que vivemos.

Chen Po-Ta — Stálin e a Revolução Chinesa

Chen Po-Ta foi Vice-Presidente do Departamento de Informações do Comitê Central do Partido Comunista Chinês. Um colaborador de Mao Tsé-tung, nos anos 80 foi condenado a 18 anos de prisão pelos revisionistas.

Fonte: Problemas – Revista Mensal de Cultura Política nº 23 – Dez de 1949


I – A Ajuda Teórica e Prática de Stálin

Por ocasião das solenidades realizadas em Ienan em comemoração do 60.° aniversário de Stálin, o camarada Mao Tsé-Tung declarou:

Stálin é o líder da revolução mundial. Trata-se de uma questão de suma importância. É um grande acontecimento o fato de a humanidade possuir Stálin. Uma vez que o temos, as cousas podem marchar bem. Como vocês todos sabem, Marx já morreu e também Engels e Lênin. Se Stálin não existisse, quem haveria para nos orientar? Mas desde que o temos — trata-se efetivamente de um acontecimento feliz. Atualmente existe no mundo uma União Soviética, um Partido Comunista e um Stálin. Sendo assim, as questões mundiais podem marchar bem”.

O camarada Mao Tsé-Tung fez ver aos camaradas do nosso Partido Comunista Chinês:

“É nosso dever aplaudi-lo, apoiá-lo e aprender com ele. Devemos aprender com ele em dois sentidos: a sua teoria e a sua obra”.

Continuar lendo