Sobre o livro ‘A Anarquia’, de Malatesta

Resolvi reler este livro novamente depois de alguns anos de tê-lo mofando na estante. Se eu fosse comprar um livro sobre o assunto hoje, seria mais exigente quanto ao seu conteúdo e suas fontes (Malatesta não cita quase nada); porém, compreendo que é um livro escrito somente para agitprop e dá pra tolerar isso.

Apesar da maior parte do livro já não me convencer hoje, há algumas partes que são aproveitáveis.

O panfleto é de 1891 e pode ser lido em inglês aqui: http://www.marxists.org/archive/malatesta/1891/xx/anarchy.htm (Versão curta)

E em espanhol aqui: http://www.nodo50.org/fau/teoria_anarquista/malatesta/1.htm (Versão completa, provavelmente a que foi utilizada na tradução deste livro que tenho em mãos)

Comentarei primeiramente a biografia de Errico Malatesta escrita por Jorge Silva antes da introdução ao livro, algo que me chamou a atenção:

É citado um movimento italiano chamado Levante de Benevento, do qual Malatesta fez parte; diz-se que ele se tornou lendário na Itália depois que “um grupo anarquista percorreu o sul da Itália distribuindo armas à população e queimando os arquivos públicos, proclamando o comunismo libertário”. Não me incomoda a ação contestadora ou o uso das armas (que, aliás, é um ato autoritário); porém, o fato de pensarem que mudarão tudo ao colocarem armas nas mãos do povo politicamente desorganizado (e não se preocupando em organizá-lo, já que isso supõe necessariamente uma centralização em algum grau), adotando a via da “espontaneidade das massas”, uma tática que a história comprovou continuamente ser causa somente de derrotas para o proletariado. Não preciso citar exemplos do Brasil recente, tendo as Jornadas de Junho de 2013 falhado miseravelmente em pelo menos trazer um pouco de estabilidade política. Nada que incomode os anarquistas e seus dogmas, infelizmente. O anarquismo nega a necessidade de organizações proletárias disciplinadas e centralizadas, deixando o proletariado inofensivo diante das poderosas organizações capitalistas.

Continuar lendo

Anúncios

O confronto político do Livorno contra os fascistas da Lazio

por Brigada Autônoma Livornense

Em algumas partes do mundo o futebol possui uma forte conotação política. Podemos citar como exemplo o glorioso clube St. Pauli na Alemanha, onde a maioria de seus torcedores são comunistas, anarquistas e libertários. Do mesmo modo temos o Rayo Vallecano na Espanha, West Ham United na Inglaterra, o Celtic na Escócia etc. E, claro, não podemos deixar de citar o Livorno na Itália, que faz encher os nossos olhos d’água de emoção.
Na Europa, apesar dos nazistas se infiltrarem nos estádios e fazerem seu merchandising rotineiro, há um outro lado que a imprensa não divulga: a participação e organização dos antifascistas nos estádios de futebol, que muitas vezes terminam em batalha campal contra os fascistas. Aqui no Brasil, infelizmente, o futebol é completamente despolitizado, as torcidas organizadas daqui são na sua grande maioria lumpens que brigam (e matam) por qualquer besteira, sem nenhuma conotação política. Como diria a banda catalã Inadaptats: “A VIOLÊNCIA PROLETÁRIA É SINAL DE INTELIGÊNCIA!” (Supporters del
Carrer).

Continuar lendo