Stalin e a Internacional Comunista

Um ensaio de N. Steinmayr para a Stalin Society.
Setembro de 2000, Londres.

third-international-communist-meeting

A Revolução Socialista de Outubro em 1917, o estabelecimento de dois sistemas opostos, socialismo e capitalismo, junto à crescente internacionalização das lutas proletárias, salientou mais uma vez a necessidade de formas eficazes de solidariedade mútua e de coordenação entre as vanguardas revolucionárias operando em diferentes países. Consequentemente, criou-se a III Internacional Comunista, ou Comintern, em Moscou em 1919 – uma nova internacional proletária, livre dos oportunistas que prevaleciam na II Internacional, uma nova internacional que, segundo Lenin, “começou a implementar a ditadura do proletariado”. [1] O reconhecimento da ditadura do proletariado e a luta pela sua segurança representavam, de fato, condições preliminares de adesão.

Foi sob a iniciativa de Lenin que a Internacional Comunista inicialmente elaborou sua estratégia e tática revolucionárias, bem como seus princípios políticos e organizacionais. Logo se espalharam para além da Europa. E, adquirindo importância vital para todos os partidos comunistas, a III Internacional também exerceu considerável influência social e política na arena internacional. Como o socialismo estava sendo consolidado na União Soviética, o Comintern permaneceu existindo até sua dissolução em 1943 [Nota do Editor: leia o nosso post Dimitrov sobre a dissolução da III Internacional]. Sete congressos foram realizados (o último ocorrido em 1935). Entre os congressos seu órgão mais alto foi o Comitê Executivo da Internacional Comunista (CEIC), que convocou treze sessões plenárias de 1922 a 1933.

Continuar lendo

Anúncios