A Revolução Maoísta no Tibete — Parte 4

A Opressão Retorna — Depois do Golpe na China

Duas Linhas Se Enfrentam no Tibete

Os revolucionários maoístas combateram forças poderosas dentro do Partido Comunista que queriam impor um caminho capitalista à China, incluindo o Tibete. Na Parte 3, descrevemos o programa desses “caminhantes capitalistas” – cujos líderes incluíram Deng Xiaoping. Eles se chamavam “comunistas” e falavam em construir um “poderoso Estado socialista moderno”, mas eles realmente queriam era parar a revolução depois de abolir o feudalismo. Mao Tsé-tung considerou que essas forças eram inimigos amargos da revolução – ele os chamou de “revisionistas”, “negociantes capitalistas” e “comunistas falsos”. Mao viu que sua imitação de métodos capitalistas “eficientes” traria a polarização de classe e a exploração capitalista de volta para a China. O resultado seria que a China mais uma vez seria penetrada e dominada por investidores e exploradores estrangeiros.

O contraste entre a linha comunista revolucionária de Mao e a linha capitalista dos revisionistas é muito claro em todas as questões relacionadas ao Tibete.

Continuar lendo

A Revolução Maoísta no Tibete — Parte 2

Assalto ao Céu

Revolutionary Worker # 944, 15 de fevereiro de 1998

Trazendo a Revolução ao Tibete

Em 1949, o Exército de Libertação Popular de Mao havia derrotado todos os principais exércitos reacionários na China central. O dia dos pobres e dos oprimidos havia chegado! Mas as grandes potências do mundo estavam se movendo rapidamente para esmagar e “conter” essa revolução. As tropas francesas invadiram o Vietnã, ao sul da fronteira da China. Em 1950, uma enorme força invasora dos EUA arrasaria a Coreia com planos para ameaçar a China.

As montanhas ocidentais e as pradarias das áreas fronteiriças da China são habitadas por dezenas de diferentes agrupamentos nacionais, cujas culturas são diferentes da maioria dos povos Han da China. Uma dessas regiões, o Tibete, havia sido governada localmente como um reino isolado e “à prova d’água” por uma classe de servos, liderados pelos abades dos grandes mosteiros budistas lamaístas. Durante a guerra civil chinesa, a classe dominante do Tibete conspirou para criar um estado falso “independente” que estava na verdade sob a ala do colonialismo britânico.

Continuar lendo

Feudalismo Amigável: O Mito do Tibete — III. Saída da Teocracia Feudal

Por Michael Parenti

Conforme o mito Shangri-La, no antigo Tibete as pessoas viviam em simbiose contente e tranquila com seus senhores monásticos e seculares. Lamas ricos e monges pobres, proprietários ricos e servos empobrecidos estavam todos unidos, mutuamente sustentados pelo bálsamo reconfortante de uma cultura profundamente espiritual e pacífica.

É lembrada a imagem idealizada da Europa feudal apresentada pelos católicos conservadores dos últimos dias, como G. K. Chesterton e Hilaire Belloc. Para eles, a cristandade medieval era um mundo de camponeses satisfeitos que viviam no abraço seguro de sua Igreja, sob a proteção mais ou menos benigna de seus senhores. [55] Novamente, somos convidados a aceitar uma cultura particular em sua forma idealizada, separada de seu material turvo história. Isso significa aceitá-la como apresentado pela sua classe favorecida, por aqueles que mais se beneficiaram dela. A imagem de Shangri-La do Tibete não tem mais semelhança com a realidade histórica do que a imagem pastoral da Europa medieval.

Continuar lendo

Feudalismo Amigável: O Mito do Tibete — II. Secularização e Espiritualidade

Por Michael Parenti

O que aconteceu com o Tibete depois que os comunistas chineses se mudaram para o país em 1951? O tratado daquele ano previa a autogestão ostensiva sob o governo do Dalai Lama, mas conferiu à China o controle militar e o direito exclusivo de conduzir relações externas. Os chineses também receberam um papel direto na administração interna “para promover reformas sociais”. Entre as primeiras mudanças que fizeram foi reduzir as taxas de juros usurárias e construir alguns hospitais e estradas. Em primeiro lugar, eles se moviam lentamente, dependendo principalmente da persuasão na tentativa de reconstrução. Nenhuma propriedade aristocrática ou monástica foi confiscada, e os senhores feudais continuavam a reinar sobre seus camponeses hereditários. “Ao contrário da crença popular no Ocidente”, afirma um observador, os chineses “tomaram o cuidado de mostrar respeito pela cultura e religião tibetanas”. [25]

Ao longo dos séculos, os senhores e os lamas tibetanos viram os chineses indo e vindo, e tiveram boas relações com o generalíssimo Chiang Kaishek e seu reacionário governo do Kuomintang na China. [26] A aprovação do governo do Kuomintang era necessária para validar a escolha do Dalai Lama e Panchen Lama [N.E.: na escola Gelug, é o nome atribuído ao número dois da hierarquia budista]. Quando o 14º Dalai Lama foi instalado pela primeira vez em Lhasa, foi com uma escolta armada de tropas chinesas e um ministro chinês, de acordo com a tradição secular. O que chateou os senhores tibetanos e lamas no início da década de 1950 foi que esses últimos chineses eram comunistas. Seria apenas uma questão de tempo, eles temiam, antes que os comunistas começassem a impor os seus esquemas igualitários e coletivistas ao Tibete.

Continuar lendo

Dalai Lama defende o imperialismo: “os EUA são a nação líder do mundo livre” e se declara “admirador da União Europeia”

Segundo o atual Dalai Lama os EUA são uma “nação líder do mundo livre” e nega a existência do imperialismo, como se tudo fossem flores no mundo atual. Ainda se declarou “admirador da União Europeia”.

Em seu novo livro “A Appeal to the World: The Way to Peace in a Time of Division”, o Dalai Lama dedica um breve capítulo aos pensamentos sobre o presidente americano. Perguntado por seu co-autor, Franz Alt, se “Make America Great Again” e “America First” estão “atualizados nesta era da globalização”, o Dalai Lama responde: “Quando o presidente diz ‘America First, ele está fazendo seus eleitores felizes. Eu posso entender isso. Mas, de uma perspectiva global, esta afirmação não é relevante. No mundo global de hoje, tudo está interligado. O futuro da América depende da Europa e o futuro da Europa depende dos países asiáticos”.

Observando que os EUA são “uma nação líder do mundo livre”, o Dalai Lama argumenta que os Estados Unidos deveriam “se afiliar mais estreitamente à Europa. Eu sou um admirador da União Européia. É um excelente exemplo pioneiro de um projeto de paz”. Ele lamenta que Trump retirou os EUA do acordo climático de Paris, escrevendo: “Ele certamente tem sua razão para fazê-lo”.

“Os EUA ainda são muito poderosos”, escreve o Dalai Lama. “O lema dos antepassados ​​dos americanos modernos era democracia, liberdade e liberdade. Regimes totalitários não têm futuro”.

Fonte: The Dalai Lama Says Donald Trump’s MAGA Catchphrase ‘Isn’t Relevant’

Feudalismo Amigável: O Mito do Tibete — I. Para Senhores e Lamas

Por Michael Parenti

Juntamente com a paisagem ensopada de conflitos religiosos, existe a experiência de paz interior e consolo que todas as religiões prometem, nenhuma mais que o budismo. Em contraste marcado com a selvageria intolerante de outras religiões, o budismo não é fanático nem dogmático – assim dizem seus adeptos. Para muitos deles, o budismo é menos uma teologia e mais uma disciplina meditativa e investigativa destinada a promover uma harmonia interior e iluminação, enquanto nos orienta para um caminho de vida correta. Geralmente, o foco espiritual não é apenas sobre si mesmo, mas sobre o bem-estar dos outros. Um tenta deixar de lado as buscas egoístas e obter uma compreensão mais profunda da conexão de alguém com todas as pessoas e coisas. O “budismo socialmente engajado” tenta misturar a libertação individual com a ação social responsável para construir uma sociedade esclarecida.

Um olhar sobre a história, no entanto, revela que nem todas as formas muito variadas do budismo foram livres de fanatismo doutrinário, nem livres das atividades violentas e exploradoras tão características de outras religiões. No Sri Lanka há uma história registrada lendária e quase sagrada sobre as batalhas triunfantes realizadas por reis budistas de outrora. Durante o século XX, os budistas se enfrentaram violentamente uns com os outros e contra não-budistas na Tailândia, Birmânia (Myanmar), Coreia, Japão, Índia e outros lugares. No Sri Lanka, batalhas armadas entre cingaleses budistas e tâmiles hindus tiraram muitas vidas em ambos os lados. Em 1998, o Departamento de Estado dos EUA listou trinta dos grupos extremistas mais violentos e perigosos do mundo. Mais de metade deles eram religiosos, especificamente muçulmanos, judeus e budistas. [1]

Continuar lendo

A Revolução Maoísta no Tibete – Parte 1

Quando os Dalai Lamas Governavam: Inferno na Terra

Revolutionary Worker # 944, 15 de fevereiro de 1998

Publicado como A Verdadeira Face do Dalai Lama, por Kalovski Itim.

Clima Duro, Sociedade Cruel

O Tibete é um dos lugares mais remotos do mundo. Está centrado num platô de uma alta montanha no fundo da Ásia. É cortado ao sul da Ásia pelos Himalaias, as montanhas mais altas do mundo. Inúmeros desfiladeiros de rio e pelo menos seis cordilheiras diferentes esculpem esta região em vales isolados. Antes de todas as mudanças ocorridas após a revolução chinesa de 1949, não havia estradas no Tibete que os veículos com rodas pudessem viajar. Todas as viagens eram mais sinuosas, perigosas trilhas de montanha – por mula, a pé ou por iaques que são animais de montanha peludos e semelhantes a vacas. O comércio, as comunicações e o governo centralizado eram quase impossíveis de manter.

A maioria do Tibete está acima da linha de árvores [Nota do Editor: margem para além da qual as árvores não crescem]. O ar é muito rarefeito. A maioria das culturas e árvores não crescerão lá. Foi uma luta para cultivar alimentos e até encontrar combustível para queimadas.

Na época da revolução, a população do Tibete estava extremamente espalhada. Cerca de dois ou três milhões de tibetanos moravam em uma área da metade do tamanho dos Estados Unidos – cerca de 1,5 milhão de quilômetros quadrados. Aldeões, mosteiros e acampamentos nômades eram muitas vezes separados por muitos dias de difícil viagem.

Os revolucionários maoístas viram que havia “Três Grandes Carências” no antigo Tibete: falta de combustível, falta de comunicação e falta de pessoas. Os revolucionários analisaram que essas “Três Grandes Carências” não eram principalmente causadas pelas condições físicas, mas pelo sistema social. Os maoístas disseram que as “Três Grandes Carências” foram causadas pelas “Três Abundâncias” na sociedade tibetana: “Abundante pobreza, abundante opressão e medo abundante do sobrenatural”.

Continuar lendo