K. Marx & F. Engels – Princípios Básicos do Comunismo

Texto de Marx e Engels, escrito em 1847 e publicado em 1914.

Direitos de tradução em língua portuguesa reservados por Editorial “Avante!” – Edições Progresso Lisboa – Moscovo, 1982.

1.ª Pergunta: Que é o comunismo?

Resposta: O comunismo é a doutrina das condições de libertação do proletariado.

2.ª P[ergunta]: Que é o proletariado?

R[esposta]: O proletariado é aquela classe da sociedade que tira o seu sustento única e somente da venda do seu trabalho e não do lucro de qualquer capital; [aquela classe] cujo bem e cujo sofrimento, cuja vida e cuja morte, cuja total existência dependem da procura do trabalho e, portanto, da alternância dos bons e dos maus tempos para o negócio, das flutuações de uma concorrência desenfreada. Numa palavra, o proletariado ou a classe dos proletários é a classe trabalhadora do século XIX.

3.ª P[ergunta]: Portanto, nem sempre houve proletários?

R[esposta]: Não. Classes pobres e trabalhadoras sempre houve; e as classes trabalhadoras eram, na maioria dos casos, pobres. Mas nem sempre houve estes pobres, estes operários vivendo nas condições que acabamos de assinalar, portanto, [nem sempre houve] proletários, do mesmo modo que a concorrência nem sempre foi livre e desenfreada.

Continuar lendo

Anúncios

O confronto político do Livorno contra os fascistas da Lazio

por Brigada Autônoma Livornense

Em algumas partes do mundo o futebol possui uma forte conotação política. Podemos citar como exemplo o glorioso clube St. Pauli na Alemanha, onde a maioria de seus torcedores são comunistas, anarquistas e libertários. Do mesmo modo temos o Rayo Vallecano na Espanha, West Ham United na Inglaterra, o Celtic na Escócia etc. E, claro, não podemos deixar de citar o Livorno na Itália, que faz encher os nossos olhos d’água de emoção.
Na Europa, apesar dos nazistas se infiltrarem nos estádios e fazerem seu merchandising rotineiro, há um outro lado que a imprensa não divulga: a participação e organização dos antifascistas nos estádios de futebol, que muitas vezes terminam em batalha campal contra os fascistas. Aqui no Brasil, infelizmente, o futebol é completamente despolitizado, as torcidas organizadas daqui são na sua grande maioria lumpens que brigam (e matam) por qualquer besteira, sem nenhuma conotação política. Como diria a banda catalã Inadaptats: “A VIOLÊNCIA PROLETÁRIA É SINAL DE INTELIGÊNCIA!” (Supporters del
Carrer).

Continuar lendo

Petkovic fala sobre socialismo

Por “Ortega”

Ana Maria Braga: Como foi nascer num país com tanta dificuldade?

Petkovich: Quando nasci não tinha dificuldade nenhuma, era um país
maravilhoso, vivíamos um regime socialista, todo mundo bem, todos tinham
salário, todos tinham emprego. Problemas aconteceram depois dos anos 80.

http://globoesporte.globo.com/Esportes/Noticias/Times/Flamengo/0,,MUL1484475-9865,00-ENTRE+O+CAFE+E+O+SAMBA+PET+AFIRMA+O+MELHOR+TIME+DO+MUNDO+E+O+FLAMENGO.html

Logo no inicio Pet fala sobre a vida no regime comunista iugoslavo, que mesmo com todas suas falhas relacionadas a uma certa falta de controle da economia seguia sendo superior ao capitalismo – a restauração do mesmo na Iugoslávia, URSS, leste europeu e etc, somente trouxe desgraça(saiba mais com um estudo da ONU: http://www.fetecsp.org.br/index2.php?option=com_content&do_pdf=1&id=8262)

www.bolchevista.wordpress.com

Um fantasma ronda o mundo…

A seguir, uma pequena atualização do Manifesto do Partido Comunista feita por mim:

Um fantasma ronda o mundo – o fantasma do Marxismo-leninismo. Todos os grupos políticos unem-se numa Santa Aliança para conjurá-lo: os conservadores e liberais, radicais anarquistas, trotskystas e espontaneístas, fascistas e nazistas. Que partido de oposição não foi acusado de “stalinista” por seus adversários no poder? Que partido de oposição, por sua vez, não lançou a seus adversários de direita ou de esquerda a alcunha infamante de “stalinista”?

Duas conclusões decorrem desses fatos:

1ª) O Marxismo-leninismo já é reconhecido como força por todas as potências do mundo.

2ª) É tempo de os comunistas exporem, à face do mundo inteiro, seu modo de ver, seus fins e suas tendências, opondo um manifesto do próprio partido à lenda do espectro do Marxismo-leninismo.