Feudalismo Amigável: O Mito do Tibete — II. Secularização e Espiritualidade

Por Michael Parenti

O que aconteceu com o Tibete depois que os comunistas chineses se mudaram para o país em 1951? O tratado daquele ano previa a autogestão ostensiva sob o governo do Dalai Lama, mas conferiu à China o controle militar e o direito exclusivo de conduzir relações externas. Os chineses também receberam um papel direto na administração interna “para promover reformas sociais”. Entre as primeiras mudanças que fizeram foi reduzir as taxas de juros usurárias e construir alguns hospitais e estradas. Em primeiro lugar, eles se moviam lentamente, dependendo principalmente da persuasão na tentativa de reconstrução. Nenhuma propriedade aristocrática ou monástica foi confiscada, e os senhores feudais continuavam a reinar sobre seus camponeses hereditários. “Ao contrário da crença popular no Ocidente”, afirma um observador, os chineses “tomaram o cuidado de mostrar respeito pela cultura e religião tibetanas”. [25]

Ao longo dos séculos, os senhores e os lamas tibetanos viram os chineses indo e vindo, e tiveram boas relações com o generalíssimo Chiang Kaishek e seu reacionário governo do Kuomintang na China. [26] A aprovação do governo do Kuomintang era necessária para validar a escolha do Dalai Lama e Panchen Lama [N.E.: na escola Gelug, é o nome atribuído ao número dois da hierarquia budista]. Quando o 14º Dalai Lama foi instalado pela primeira vez em Lhasa, foi com uma escolta armada de tropas chinesas e um ministro chinês, de acordo com a tradição secular. O que chateou os senhores tibetanos e lamas no início da década de 1950 foi que esses últimos chineses eram comunistas. Seria apenas uma questão de tempo, eles temiam, antes que os comunistas começassem a impor os seus esquemas igualitários e coletivistas ao Tibete.

Continuar lendo