RSS

Sobre a crise política

14 maio

O momento atual exige uma autocrítica dos apoiadores do “projeto democrático popular” e da conciliação de classes, pois o que se coloca explicitamente diante dos nossos olhos é a prova cabal das falhas desse projeto político reformista.

A maioria dos governistas que até ontem gritavam com alegria “Temer! Temer! Temer!”, estão tentando isentar o partido de qualquer tipo de crítica, o que é extremamente grave de acontecer em um partido – e principalmente em um partido de massas. Existe uma fração conciliadora – encabeçada por Lula e Dilma – que se tornou hegemônica no PT e outras correntes já viram que não existe saída para esse bloco que se formou, que defendeu alianças com Paulo Maluf, Fernando Collor, José Sarney, Marco Feliciano, Jader Barbalho, Kátia Abreu, Edir Macedo, Joaquim Levy, Eduardo Paes, Garotinho, acordos entre Haddad e Alckmin, etc.

Aplaudiram a repressão aos manifestantes da Copa, fecharam os olhos para os presos políticos, estiveram pouquíssimo preocupados com a reforma agrária, com a questão indígena, do aborto. Dilma entregou o Pré-Sal e vetou a auditoria da dívida. Ainda assim, não tiram o termo Dilmãe de seu vocabulário político. Vemos que ainda hoje a centro-esquerda continua tratando manifestações como brincadeira. Além de tentarem aparelhar qualquer uma que tenha sua presença; da última vez que isso virou notícia, foi no 8 de março desse ano, em que até homens agrediram uma feminista que criticou o governo federal no carro de som.

Cito também a falta de uma política fortemente contrária ao imperialismo – um fato bem simbólico foi quando Barack Obama disse que Lula era “o cara”; será que diria o mesmo de Hugo Chávez, Vladimir Putin, Kim Jong-un ou qualquer chefe de Estado que é uma pedra no sapato dos EUA?

Depois do mesmo fazer o tanto de ataques aos trabalhadores, indígenas, LGBT, até às mulheres e negros apesar da nova propaganda de “representatividade” ministerial, querem o apoio da nossa oposição? A esquerda brasileira precisa superar o projeto político que o PT representou aqui, que é o do reformismo e da conciliação com grandes empresas, bancos, latifúndios e com o imperialismo. O que muda hoje é que essa conciliação será maior, mas como ela já aconteceu com enormes concessões, deu no que deu.

De mim, continuarei fazendo o mesmo desde que me entendo como agente político, que é me manter do lado da minha classe, a trabalhadora.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 14/05/2016 em Padrão

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: