RSS

Hugo R. C. Souza – Empreendedorismo é lema das classes dominantes

17 jul

Ideologia dominante e alienação do proletariado.

O patronato no Brasil comemora a ascensão de um novo ítem na pauta de exportações do País: O empreendedorismo. Não, não é nenhum bem de consumo, não se trata tampouco de bem de capital. Matéria prima? Talvez, mas não exatamente aquilo que conhecemos como commodities, que são mercadorias como frutas, grãos e minérios, cuja produção e venda aos países ricos é uma tarefa que cabe a nações como o Brasil na divisão internacional do trabalho. O novo vilão descoberto pelos capitalistas de segundo escalão que operam no Brasil é a campanha, ora em pleno vigor, para convencer os trabalhadores de que “o espírito empresarial” é o valor supremo a ser cultivado no mundo atual.

Pois agora uma dúzia de mercadores reunidos na Confederação das Associações Comerciais do Brasil (ACCB) descobriu um grande negócio em levar cursos e material didático de elogio ao capitalismo a países como Moçambique, Chile, Colômbia e México. Não por acaso os alvos são países da América Latina e da África, continentes onde o descontentamento das classes populares com as promessas do livre mercado e da democracia burguesa preocupa o poder econômico internacional e as elites locais. A necessidade faz o sapo pular. Acossados pela indignação das massas com os modelos e políticas de miséria, a demanda passou a ser, além de bananas e laranjas, também de “know-how” em matéria de empulhação.

No final do ano passado, entre os dias 20 e 22 de novembro, aconteceu em São Paulo a 13ª edição do Encontro Internacional de Empreendedores. Representantes do patronato daqueles e de outros países – como do Uruguai, Paquistão e claro, do próprio Brasil – se reuniram a fim de conhecer o Projeto Empreender, que é fruto de uma parceria entre o Sebrae e associações comerciais de todo o país. O projeto existe desde 1991. Pois vinte e dois participantes do encontro na capital paulista tomaram o caminho da vizinha Santo André para conhecerem um dos núcleos do Empreender. A fim de dar um exemplo do que se querem exportar, os diretores do projeto apresentaram sua atuação nesta cidade do ABC como uma espécie de meninas dos olhos.

Não se sabe ao certo o que os homens de negócios viram e gostaram tanto em Santo André, mas certamente não lhes interessou muito a situação da própria cidade, desindustrializada e castigada pelo desemprego, pela deterioração das condições de vida da população e condenada pelo capital a abrigar uma grande reserva de mão-de-obra barata para os setores de serviços da metrópole vizinha.

Como é óbvio, este Projeto Empreender não alterou em nada esta realidade. Ao contrário, seus idealizadores e gerentes tiraram proveito da ruína, digamos, “empreendida” ali pelo poder econômico para formar meia dúzia de pequenos empresários que servirão como exemplo do nada. Ou melhor, servirão como mostruário para a principal mentira contada pelos vendedores desta grande ilusão que é o “empreendedorismo”. A mentira de que todos podem — e devem — ser patrões.

O engodo chega às salas de aula

Para seus arautos, no entanto, importa que a moda do empreendedorismo cumpra seu papel de enraizar os valores das empresas entre o povo explorado por elas, e que, afinal, o trabalho de disseminar este novo evangelho seja algo lucrativo para quem está disposto a entrar de cabeça em mais esta oportunidade de negócios.

Empreendedorismo virou a palavra da moda. Abundam elogios à “criatividade” das pessoas humildes, à necessidade de se difundir entre elas o “espírito empresarial” e a percepção adequada para aproveitar oportunidades. É a tentativa de atualização da velha lengalenga liberal das oportunidades iguais, da mentira de que o sol capitalista nasce para todos, do velho esforço da burguesia de tentar canalizar a força das classes populares para alimentar o próprio sistema que as oprime, com o objetivo de minar a solidariedade entre os trabalhadores e deixar a luta de classes em segundo plano.

Em suma: a empulhação consiste em tentar fazer crer que a liberdade não está no horizonte de emancipação dos povos frente aos grilhões do capital, na superação do capitalismo e na construção de uma democracia nova, mas sim em cada um abrir seu próprio negócio.

A Rede Globo vem aderindo a esta campanha com entusiasmo incontido. Durante a “Semana do Empreendedorismo”, o Jornal Nacional exibiu uma série de reportagens chamada “Faça e aconteça”, festejando a empulhação. Um dos episódios da série foi intitulado “empreendedorismo também se aprende na escola”. Sim, pelo menos é o que há algum tempo se vê nas escolas dos filhos das elites brasileiras. O slogan de uma das mais famosas delas, por exemplo, é “formando empreendedores”. Mas agora os gerentes políticos dos interesses das elites querem fazer o mesmo com as escolas públicas, onde estudam os filhos da classe trabalhadora. As escolas estaduais do Piauí, por exemplo, poderão incluir oficialmente o ensino de empreendedorismo na grade curricular deste ano. As escolas públicas de Resende, no sul do estado do Rio de Janeiro, também transformou o engodo em matéria de sala de aula.

São apenas dois exemplos de algo cujas alegadas boas intenções não resistem ao mais elementar questionamento, deixando à mostra a natureza fraudulenta deste arremedo de política educacional. O coordenador de um destes projetos picaretas de empreendedorismo em escolas municipais do Rio, em entrevista à própria Globo, deixou escapar que ali, na escola pública, “a gente não quer formar nenhum empresário. A gente quer que eles tenham espírito empreendedor”. Ou seja: ser patrão não é para o bico de qualquer um, mas não é por isso que qualquer um não deva cultivar um “espírito empreendedor”. Isto significa que estão iludindo esta garotada, os filhos do proletariado, com as promessas do inimigo de classe.

É preciso compreender que todo este esforço da burguesia e de seus fiéis escudeiros vem sendo reforçado nos últimos anos em razão dos sinais que vêm de todo o mundo de acirramento do processo revolucionário capitaneado pelas massas trabalhadoras. Portanto, não basta que cada trabalhador não se deixe iludir com toda esta conversa mole; é preciso também trabalhar contra este consenso que se forma acerca do “empreendedorismo”.

 
1 comentário

Publicado por em 17/07/2012 em Ideologia burguesa

 

Tags: , , ,

Uma resposta para “Hugo R. C. Souza – Empreendedorismo é lema das classes dominantes

  1. Nilton Sérgio Costa

    17/04/2014 at 19:53

    A farra do “empreendetolice” fede mesmo. Trata-se visivelmene de uma tramóia que vem bem do alto,lá de Manhathan. Governos e banqueiros buscam incessantemente meios de vampirizar novos pescoços. Como as vacas (empresas) estão muito fracas ou muito escoladas e os governos e países mundo afora estão morrendo de anemia, a onda agora é tentar arrebanhar novo gado: o público em geral. Conluios entre empresecas de “encubação” e universidades, cursos e escolas, propaganda maciça do SEBRAE (órgão abiscoitador de trouxas), estão varrendo todos os cantos em busca de “gado novo”. Com isso o governo arrecada mais impostos, confiscos e multas desses tolos que entram por esse cano. De outro lado, os banqueiros se lautam com os novos endividados, pois não se fala em empreendedorismo sem passar obrigatoriamente pelo laço do EMPRÉSTIMO. Como todo banco só empresta dinheiro para QUEM TEM DINHEIRO, os “empreendetolos” caem na armadilha penhorando seus bens pessoais a troco de uma ilusão. A ratoeira é montada já na lei que regulamenta o chamado “empreendedor individual”, herança nefasta da chamada “empresa individual”. Só que é pior. O sujeito entra com o CPF em vez do CNPJ e seus bens pessoais e familiares podem ser arrolados em leilão para pagamento de dívidas pendentes. É um casamento perfeito. Em cada 10 novos “empreendetolos” no Brasil, 9 morrem no primeiro ano de vida. Sinal de que há algo de muito errado nesse negócio de “empreendetolice”. Mesmo deficitário e perdendo dinheiro, o “empreendetolo” é obrigado a pagar multas vultosas por qualquer lapso de memória, ao se esquecer de declarar algo para o “leão” ou para as secretarias de roubenda estaduais. O governo não quer saber das dificuldades que o “empreendetolo” passa nem mesmo os agiotas de plantão. Começam a assaltar o tolo sonhador desde seu nascimento até que caia morto. Num país corrupto como o nosso é suicídio pensar em abrir empresa. Só os grandes monopólios é que tem condição de sobreviver ao ataque pirata dos governos no Brasil.

     

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: