RSS

Pyotr Pospelov — O 50º Aniversário do Partido Comunista da União Soviética (1953)

16 ago

Fonte: Problemas – Revista Mensal de Cultura Política nº 52 – Dez de 1953.

O Partido Comunista e o povo soviético celebram um grande acontecimento histórico — a 30 de julho de 1953 verificou-se o quinquagésimo aniversário do dia da inauguração do II Congresso do Partido Operário Social-Democrata Russo (P.O.S.D.R.). O quinquagésimo aniversário do Partido Comunista da União Soviética é uma data gloriosa e notável na vida dos povos de nosso país e na história de todo o movimento revolucionário internacional. No II Congresso do P.O.S.D.R. estabeleceram-se as bases do Partido Bolchevique — Partido marxista revolucionário de novo tipo, radicalmente diferente dos velhos partidos reformistas da II Internacional. Lênin escreveu:

“O bolchevismo existe como corrente do pensamento político e como partido político a partir de 1903”.

O Partido Comunista foi organizado e criado, armado teoricamente e politicamente temperado no fogo das lutas de classe pelo fiel seguidor de Marx e Engels, V. I. Lênin — o gênio da revolução —, que desenvolveu incansavelmente e de maneira criadora o marxismo em novas condições históricas, enriquecendo-o com novas teses e conclusões programáticas. V. I. Lênin — fundador de nosso Partido, mestre da ciência revolucionária e grande organizador das massas trabalhadoras — lutou implacavelmente contra os inimigos abertos e ocultos do marxismo e contra quaisquer manifestações de oportunismo no movimento operário, e criou nosso Partido como Partido do marxismo criador, Partido da revolução social e da ditadura do proletariado.

Toda a história do Partido Comunista é o marxismo-leninismo em ação. As vitórias do socialismo, de significação histórico-mundial, conquistadas sob a direção do Partido, são encarnação da força vital do leninismo e exemplo inspirador para todo o movimento revolucionário internacional.

I

O Partido Comunista da União Soviética conta sua existência a partir do II Congresso do P.O.S.D.R.. O I Congresso do Partido (1898) limitou-se a proclamar a criação do Partido da classe operária na Rússia, mas não estabeleceu o programa nem os Estatutos do Partido. O movimento marxista na Rússia após o I Congresso do Partido era constituído por círculos e grupos social-democratas dispersos e isolados, não ligados pela unidade de um programa marxista combativo e por uma organização centralizada.

Foram necessários alguns anos de luta intensa de Lênin e do jornal ilegal “Iskra” — por ele criado para toda a Rússia — contra a dispersão ideológica, contra as vacilações oportunistas dos “economistas” e de grupos afins, para preparar a criação de um Partido realmente marxista na Rússia sobre as bases ideológicas e orgânicas elaboradas por Lênin.

Generalizando a experiência do desenvolvimento da luta revolucionária, a experiência do movimento revolucionário internacional na época do imperialismo, V. I. Lênin elaborou pela primeira vez na história do marxismo a doutrina do Partido como organização dirigente do proletariado, como arma fundamental em suas mãos na luta pelo poder. Demonstrou ele que sem um Partido revolucionário não é possível conquistar a ditadura do proletariado e construir o socialismo e o comunismo. Lênin elaborou normas estritas de vida partidária e os princípios da direção partidária, ressaltando que o Partido deve ser organismo vivo, independente, um organismo em constante desenvolvimento, uma organização combativa do proletariado que é forte pela unidade de aço de suas fileiras e por sua severa disciplina.

O Partido marxista foi fundado na Rússia em um momento de reviravolta do movimento operário internacional, quando o capitalismo ingressara em sua fase imperialista de desenvolvimento — fase superior e última — e a revolução proletária se tornava uma questão pratica imediata.

Verdadeira tragédia para o proletariado da Europa Ocidental foi a circunstância de haver ingressado na época das guerras imperialistas e das revoluções proletárias tendo como seus dirigentes políticos os partidos social-democratas reformistas, nos quais exerciam influência predominante os oportunistas que pregavam a “paz social” com os capitalistas senhores de escravos e que pregavam a repulsa à luta de classes e à revolução proletária. Esses partidos não eram capazes de levar o proletariado a uma luta decisiva pela conquista do poder político.

O fato de o proletariado da Rússia haver formado uma autêntica vanguarda revolucionária personificada pelo Partido Bolchevique — Partido marxista revolucionário de novo tipo — constitui sua imensa vantagem.

No começo do século XX o centro do movimento revolucionário transferiu-se para a Rússia. Na Rússia estava próxima nessa ocasião a mais grandiosa revolução popular contra a autocracia tsarista e contra os restos da servidão. A Rússia era o ponto de convergência de todas as contradições do imperialismo e o elo mais fraco no sistema do imperialismo mundial. A revolução democrático-burguesa na Rússia, na época do imperialismo, devia transformar-se inevitavelmente em revolução socialista. A Rússia tornou-se a pátria do leninismo-marxismo da época do imperialismo e das revoluções proletárias. Nessa situação histórica apresentou-se em toda sua agudeza o problema da criação, na Rússia, de um Partido marxista revolucionário.

As grandes idéias da luta revolucionária — idéias que Lênin defendia a partir dos primeiros dias de sua atividade política — foram vitoriosas por ocasião do II Congresso do Partido. Pela primeira vez na história do movimento operário internacional após a morte de Marx e Engels, o II Congresso do P.O.S.D.R. aprovava um programa revolucionário que apresentava como tarefa fundamental do Partido a luta pela ditadura do proletariado.

A luta intensa que se desenvolveu, no Congresso, em torno dos princípios orgânicos de estruturação do Partido teve imensa significação. Foi a luta de Lênin e de seus partidários por um Partido como destacamento de vanguarda da classe operária, consciente e organizado, armado com a teoria revolucionária, com o conhecimento das leis do desenvolvimento da sociedade e da luta de classes e com a experiência do movimento revolucionário. Os mencheviques, que pregavam o oportunismo nas questões orgânicas, ocuparam uma posição completamente oposta. Eram contra a luta pela ditadura do proletariado e por isso lutavam furiosamente contra a criação de um Partido marxista combativo. Marchavam a reboque dos oportunistas da Europa Ocidental e propunham se criasse na Rússia um Partido reformista, organicamente informe, a exemplo dos Partidos da II Internacional.

Toda a história subseqüente de nosso Partido e do movimento revolucionário internacional confirmou que os princípios de construção do Partido marxista elaborados por Lênin eram os únicos certos.

Como se sabe, o II Congresso do Partido estabeleceu um divisor de águas entre a parte revolucionária do P.O.S.D.R. — os bolcheviques — e a parte oportunista — os mencheviques. Até 1912, constituindo formalmente os mencheviques um único Partido, os bolcheviques lutaram intransigentemente contra o oportunismo no movimento operário russo e internacional.

A conferência partidária de toda a Rússia que se realizou em 1912, em Praga, expulsou do P.O.S.D.R. os mencheviquesliquidacionistas, estabelecendo-se assim as bases da organização definitiva dos bolcheviques em um Partido independente.

Durante a primavera de 1912, nas condições de um novo ascenso revolucionário, criou-se, por iniciativa dos operários de Petersburgo, o jornal diário legal do Partido Bolchevique — o “Pravda” —, que representou importante papel na luta do Partido contra os liquidacionístas, pelo fortalecimento das fileiras do Partido, por maior consolidação da ligação entre nosso Partido e as massas trabalhadoras. Apreciando a significação histórica do “Pravda“, V. I. Lênin assinalava que, ao fundarem um jornal operário diário, os operários de Petersburgo realizavam uma grande obra — uma obra histórica, pode afirmar-se sem exagero. Segundo a sugestiva expressão de V. I. Lênin, o “Pravda” devia “servir de modelo e de fanal para todo o povo”.

Durante os anos da primeira guerra mundial o Partido Comunista de nosso país permaneceu fiel aos princípios do internacionalismo proletário e cumpriu com honra seu dever. Desenvolveu a luta pela transformação da guerra imperialista em guerra civil, e preparou a classe operária da Rússia para novos embates revolucionários e para a derrubada do tsarismo no período da segunda revolução russa, em fevereiro de 1917.

A vitória da Grande Revolução Socialista de Outubro coroou a luta heróica do Partido Comunista pela libertação dos povos da Rússia, salvou o país da catástrofe nacional, e conduziu nossa pátria pelo caminho da construção do socialismo.

Essa vitória se tornou possível porque nosso Partido estava armado com novas teses e conclusões teóricas formuladas pelo grande Lênin à base de uma profunda análise marxista da etapa imperialista de desenvolvimento do capitalismo, à base da generalização da experiência da luta revolucionária do proletariado da Rússia e de todo o movimento revolucionário internacional.

Grandiosa descoberta científica de V. I. Lênin foi sua genial conclusão da possibilidade da vitória do socialismo primeiro em alguns ou até mesmo em um só país capitalista, considerado isoladamente. Essa conclusão foi feita por Lênin à base da lei, por ele descoberta, da desigualdade do desenvolvimento político e econômico do capitalismo na época do imperialismo.

Importantíssima contribuição à teoria marxista é a genial conclusão de Lênin de que não é a república democrática parlamentar, mas a república dos Soviets, a melhor forma política da ditadura do proletariado. Essa conclusão de Lênin — formulada em suas históricas “Teses de Abril” — representou imenso papel no trabalho de assegurar a vitória da revolução socialista em outubro de 1917, no trabalho de estabelecer e consolidar o Poder Soviético.

Nosso Partido venceu e vence os inimigos porque é fiel ao leninismo. Orientando-se pela teoria marxista-leninista, nosso Partido conquistou a vitória da revolução socialista e criou o primeiro Estado socialista do mundo. Tornando-se Partido governante, nosso Partido elaborou e realiza conseqüentemente uma política cientificamente fundamentada que expressa os interesses de todo o povo, que leva em conta as necessidades do desenvolvimento da vida material da sociedade, e conduz nosso país de vitória em vitória.

Generalizando a riquíssima experiência da construção do socialismo em nosso país e a experiência do atual movimento internacional de libertação, J. V. Stálin — o grande continuador da obra de Lênin — desenvolveu de maneira criadora a doutrina marxista-leninista em sua aplicação a novas condições históricas e, em uma série de questões, enriqueceu a teoria revolucionária com novas teses.

A educação marxista-leninista de nossos quadros e de todos os comunistas é objeto de zelo particular do Partido Comunista porque no progresso ideológico dos comunistas o Partido vê a garantia de novos êxitos na luta pelo comunismo.

O Partido ensina que a teoria marxista-leninista não é um dogma, mas um guia para a ação. Por isso, é necessário liquidar com firmeza o modo escolástico e dogmático de estudar a teoria marxista-leninista. O Partido condena tanto o dogmatismo e o escolasticísmo — isto é: a atitude formal em relação à teoria revolucionária —, como o praticismo estreito — isto é: o desdém pela teoria revolucionária, a falta de mestria em ligar a atividade rotineira de todo dia às grandes tarefas históricas do Partido. Dos comunistas exige-se a compreensão do caráter criador do marxismo-leninismo, a assimilação, não de formulações e citações isoladas, mas da essência da doutrina de MarxEngelsLêninStálin — doutrina todo-poderosa e que transforma o mundo.

O Partido Comunista da União Soviética é o único Partido existente em nosso país, exercendo indivisivelmente a direção da sociedade soviética. A direção do Partido Comunista é a condição decisiva da solidez e da firmeza do regime soviético e de todos os êxitos de nosso povo. Isso obriga as organizações do Partido e cada comunista a descobrir e eliminar com firmeza as deficiências em qualquer setor da construção do comunismo, a desenvolver por todos os meios a crítica e a auto-critica, a lutar contra a placidez e a negligência, a lembrar sempre o cerco capitalista a elevar a vigilância revolucionária dos comunistas e de todos os trabalhadores, e a zelar pela unidade do Partido como pela menina-dos-olhos.

Considerando como dever sagrado a mais estrita observância dos princípios de direção partidária e das normas da vida partidária elaborados por Lênin, o Partido Comunista educa nesse espírito seus quadros e todos os comunistas. O caráter coletivo da direção é o princípio mais elevado da direção partidária. O culto ao indivíduo, estranho ao espírito do marxismo-leninismo, contradiz esse princípio e é incompatível com ele. É preciso eliminar, com firmeza, da prática do trabalho de propaganda a interpretação errônea e não-marxista do problema do papel do individuo na história, tendo em mente que o culto ao indivíduo leva ao rebaixamento do papel do Partido e de seu núcleo dirigente e a redução da atividade criadora das massas do Partido e do povo soviético. O culto ao individuo nada tem de comum com a compreensão marxista-leninista da elevada significação da atividade orientadora dos órgãos dirigentes e das personalidades dirigentes. O Partido parte da consideração de que somente a experiência coletiva e a sabedoria coletiva do Comitê Central — que se apóia na base científica da teoria marxista-leninista e na ampla iniciativa dos quadros dirigentes — asseguram a justeza da direção do Partido e do país, a unidade e a coesão inabalável das fileiras do Partido, e a construção vitoriosa do comunismo em nosso país.

II

A força e a invencibilidade de nosso Partido estão em sua indissolúvel ligação com o povo. A começar dos primeiros dias de sua heróica luta para libertar do jugo do capitalismo os trabalhadores, o Partido Comunista ampliou e fortaleceu incansavelmente suas ligações com as mansas trabalhadoras.

Toda a atividade do Partido Comunista está impregnada de profunda fé no povo, na energia revolucionária dos trabalhadores. O grande mérito de Lênin e de seus companheiros de idéias está em haverem desfeito os dogmas e preconceitos, estranhos ao marxismo, da interpretação populista a respeito dos “heróis” que pretensamente criam a história e da “multidão passiva”.

O Partido Comunista conduziu a classe operária e os trabalhadores de nosso país através das tempestades e tormentas de três revoluções para derrubar o capitalismo e criar o primeiro Estado Socialista de trabalhadores do mundo. No decorrer dessa luta nosso Partido derrotou todos os partidos anti-populares — os mencheviques, os social-revolucionários e os anarquistas — que visavam a manter e consolidar o reprime capitalista: fez fracassar todas as tentativas dos desprezíveis capitulacionistas—trotskistas, zinovievistas e demais fura-greves da revolução no sentido de desviar o Partido do caminho traçado por Lênin. Sem o Partido de ferro e temperado na luta, sem o Partido que goza da confiança da classe operária e de todos os trabalhadores, seria impossível a vitória da revolução socialista em outubro de 1917, a vitória sobre os intervencionistas e os guarda-brancos, seria impossível a construção da sociedade socialista em nosso país.

Lênin sempre emprestou elevada significação ao papel ativo, dirigente e orientador do Partido marxista, que conhece as condições materiais da reviravolta revolucionária e que se mantém à frente da classe mais avançada — a classe operária —, Partido que sabe mobilizar e organizar a energia revolucionária das massas trabalhadoras. “A inteligência, a honra e a consciência de nossa época” — foi assim que Lênin expressivamente caracterizou nosso Partido nos dias revolucionários de 1917.

Como resultado da vitória da Grande Revolução Socialista de Outubro — vitória conquistada sob a sábia direção do Partido —, a.classe operária e as massas trabalhadores de nosso país tomaram o poder nas mãos e se tomaram donos de seu país. O Partido Comunista, como Partido governante que expressa e defende os interesses vitais do povo, levou as mais amplas massas à criação da história.

V. I. Lênin frisou, por diversas vezes, que o Estado Soviético é forte pela consciência das massas. Lênin nos concitava a desenvolver, por todos os meios, a iniciativa e a atividade dos trabalhadores. Lênin afirmava que apenas vence e conserva o poder aquele que tem fé no povo e mergulha na fonte da viva criação popular.

A partir dos primeiros dias do Poder Soviético, a classe operária e os trabalhadores de nosso país fizeram surgir de seu meio talentosos organizadores em todos os setores da construção do jovem Estado Soviético, e manifestaram abnegação no trabalho, firmeza nunca vista na superação das dificuldades, destemor e heroísmo na luta por derrotar os inimigos. A história jamais se esquecerá da grande proeza do povo soviético durante os anos da intervenção estrangeira e da guerra civil.

Graças a sábia política do Partido Comunista, realizou o povo soviético, durante curto prazo histórico, grandiosas transformações socialistas, tornando nosso país de país economicamente atrasado em potência socialista avançada e poderosa. Realizando o programa leninista de construção do socialismo e os planos estabelecidos pelo Partido Comunista, o povo soviético criou uma indústria socialista de vanguarda, reorganizou a agricultura sobre bases socialistas e construiu a sociedade socialista. À base dos êxitos alcançados pela industrialização socialista do país e pela coletivização da agricultura em nosso país foram para sempre liquidados o desemprego e a miséria das massas trabalhadoras e se assegurou a elevação contínua do bem-estar material e do nível cultural do povo.

A força invencível do regime social e estatal soviético e a unidade inabalável do Partido, do governo e do povo soviético manifestaram-se de maneira brilhante durante os anos das severas provas da Grande Guerra Patriótica. Sob a direção do Partido Comunista, o heróico povo soviético e o valoroso Exército Soviético conquistaram grande vitória na Guerra Patriótica, vitória de significação histórico-mundial; defenderam a honra, a liberdade e á independência de nossa Pátria, e salvaram da ameaça de escravização fascista os povos da Europa e da Ásia.

J. V. Stálin afirma, caracterizando o papel inspirador e organizador de nosso Partido durante os dias da Guerra Patriótica:

“O Partido de Lênin — o Partido Bolchevique — foi a força dirigente e orientadora do povo soviético tanto nos anos da construção pacífica como nos anos de guerra. Nenhum Partido possuiu nem possui entre as massas populares a autoridade que desfruta nosso Partido Bolchevique… Durante a guerra nosso Partido se uniu ainda mais ao povo, ligou-se ainda mais estreitamente às amplas massas trabalhadoras.”.

Após haver concluído vitoriosamente a Guerra Patriótica, o povo soviético, sob a direção do Partido, desenvolveu gigantesco trabalho de restauração e desenvolvimento da economia nacional e conquistou grandes êxitos na construção pacífica.

Em nossos dias, no período da construção do comunismo, o Partido mobiliza e organiza as forças criadoras do povo soviético para aluta por um maior ascenso da economia nacional, pelo aproveitamento das reservas e das possibilidades existentes na indústria e na agricultura para o cumprimento e superação com êxito do quinto plano qüinqüenal de desenvolvimento e das tarefas estabelecidas pelo XIX Congresso do Partido.

Os homens soviéticos sabem que temos tudo que é necessário para construir uma sociedade comunista completa: o regime social e estatal soviético, inesgotáveis riquezas naturais, unia indústria pesada amplamente desenvolvida, uma grande agricultura socialista altamente mecanizada, e notáveis quadros em todos os setores da economia nacional, da ciência e da técnica.

O Partido Comunista alcançou grandes êxitos no trabalho de desenvolver a economia e a cultura socialistas graças à aliança inabalável, por ele criada, entre a classe operária e o campesinato, graças à grande amizade entre os povos da URSS.

O Partido Comunista considera como seu dever sagrado assegurar um maior florescimento da pátria socialista. A tarefa consiste em desenvolver, por todos os meios, a indústria socialista — baluarte do poderio e da solidez de nosso país. É preciso organizar o trabalho de maneira que não existam em nosso país empresas industriais atrasadas, de maneira que todos os setores da indústria cumpram e superem as tarefas do quinto plano qüinqüenal.

O Partido e o governo dedicam grande atenção ao desenvolvimento da agricultura, orientando esforços para a solução de problemas inadiáveis no que concerne ao fomento da agricultura e, particularmente, de setores como a pecuária e a horticultura. O Partido nos concita a fortalecer e desenvolver por todos os meios o regime kolkhoziano, a conseguir o progresso e o florescimento de todos os kolkhozes do país soviético, e a fortalecer constantemente a aliança entre a classe operária e o campesinato kolkhoziano.

O Partido fortalece por todos os meios a amizade entre os povos da URSS — base das bases do Estado socialista-multinacional.

O Partido Comunista considera como seu dever mais importante zelar diariamente pelos interesses do povo soviético, e pelo melhoramento do bem-estar material dos operários, dos kolkhozianos, dos intelectuais e de todos os homens soviéticos. As medidas realizadas pelo Partido e pelo governo asseguram o aumento ininterrupto do bem-estar do povo soviético, o desenvolvimento da ciência, da literatura e da arte, e o florescimento da cultura soviética — nacional pela forma e socialista pelo conteúdo.

A força do povo soviético está em sua coesão em torno do Partido Comunista. É isso que nos ensina toda a experiência semi-secular de desenvolvimento de nosso Partido, a experiência da construção vitoriosa do socialismo na URSS.

Há cinqüenta anos o Partido Comunista era um pequeno grupo de audazes e intrépidos que lutava pela liberdade e pela felicidade do povo. Hoje todo o mundo vê que o Partido Comunista da União Soviética — criado por Vladimir Ilítch Lênin — se transformou em um Partido de muitos milhões — o mais poderoso e coeso, o Partido mais autorizado do mundo. Temperado nas lutas em prol do socialismo pelo genial Lênin, pelo discípulo e continuador da obra de Lênin — o grande Stálin — e seus companheiros de armas, nosso Partido Comunista é a força dirigente e orientadora da sociedade soviética, a força que constrói o comunismo. Conduzindo com firmeza os povos de nosso país para um grande objetivo, o Partido Comunista da União Soviética, por sua suprema fidelidade ao povo, estimula à luta os Partidos Comunistas irmãos e os trabalhadores -de todos os países.

III

O Partido Comunista da União Soviética exerce imensa influência sobre toda a marcha da história universal como brigada de choque do movimento revolucionário e operário mundial.

A Grande Revolução Socialista de Outubro despertou massas de milhões de trabalhadores de todos os países que começaram a se incorporar rapidamente à luta contra o imperialismo, pela libertação das cadeias da escravidão capitalista. O primeiro Estado socialista do mundo — a União Soviética —, seus notáveis êxitos na construção da nova vida, e sua conseqüente política de paz inspiram os trabalhadores de todos os países em sua luta de libertação.

Caracterizando a significação internacional da Grande Revolução de Outubro, V. I. Lênin escreveu em 1921:

“A primeira revolução bolchevique retirou da guerra imperialista, do mundo imperialista, a primeira centena de milhões de habitantes da terra. As revoluções futuras retirarão toda a humanidade dessas guerras e desse mundo”.

Durante os trinta e dois anos que se passaram desde o dia em que foram escritas essas palavras, retiraram-se do mundo capitalista novas centenas de milhões de homens. Em conseqüência da vitória do socialismo sobre o fascismo por ocasião da segunda guerra mundial surgiu, e cresce e se fortalece rapidamente, o poderoso campo da democracia e do socialismo. A União Soviética marcha à frente desse campo.

Os êxitos alcançados pela União Soviética na obra de construção do comunismo, o desenvolvimento contínuo pelo caminho da construção do socialismo — caminho que os países europeus de democracia popular percorrem atualmente —, o poderoso ascenso da economia e da cultura da grande República Popular da China, e também o desenvolvimento do movimento operário e da luta de libertação nacional em vários países capitalistas são um brilhante testemunho do imenso aumento das forças e do poderio do campo democrático e do movimento de libertação em todo o mundo. O fracasso da aventura militar dos imperialistas na Coréia e a conclusão do armistício ali é uma grande vitória do campo da paz e da democracia e comprova as imensas possibilidades que têm os povos na luta pela paz.

O progresso do campo socialista e o enfraquecimento das posições do capitalismo provocam cólera e raiva feroz no campo dos imperialistas, provocam a exacerbação de todas as forças reacionárias e seu desejo febril de minar o poderio crescente do campo da paz, da democracia e do socialismo.

Por mais de uma vez os imperialistas atentaram contra a liberdade e a independência de nossa pátria, mas foram sempre derrotados. Sabe-se que terminou com um fracasso completo a intervenção militar estrangeira, a chamada “campanha dos 14 países”, contra a Rússia Soviética. Todos sabem também em que terminou outra desesperada tentativa do imperialismo mundial no sentido de sufocar a União Soviética — a tentativa empreendida pelos fascistas alemães. As forças do fascismo foram derrotadas e o Estado Soviético ainda mais se fortaleceu e temperou no curso da guerra.

Realizando um gigantesco programa de construção pacífica, a União Soviética leva à prática conseqüentemente uma política de paz. O Partido e o governo partem da indicação de Lênin sobre a possibilidade da coexistência prolongada e da competição pacífica entre os dois sistemas — o socialista eo capitalista. V. I. Lênin afirmou:

“… Conquistamos condições em que podemos existir ao lado das potências capitalistas que hoje são forçadas a estabelecer relações comerciais conosco. (…) E temos não só uma trégua — temos uma nova fase em que se acha fundamentalmente conquistada nossa existência internacional na rede dos países capitalistas.”.

Ocupado com o trabalho pacífico e criador, o povo soviético apóia calorosamente a política exterior de seu querido governo — uma política de paz entre todos os povos. Ao mesmo tempo, o povo soviético tem sempre em mente o cerco capitalista e suas insidiosas maquinações, defendendo com vigilância a causa da paz e preparando sua pátria para a defesa ativa. No domínio da política exterior, o Partido Comunista considera como seu dever principal não permitir uma nova guerra e viver em paz com todos os países. Essa política de paz entre os povos é a única justa, pois corresponde aos interesses vitais de todos os povos e conta, por isso, com o caloroso apoio de toda a humanidade progressista.

***

Os cinquenta anos decorridos desde a fundação do Partido Comunista são assinalados por vitórias de significação histórico-mundial, vitórias conquistadas pelos povos de nosso país na construção da nova vida — a vida socialista. A primeira metade do século XX trouxe um triunfo sem precedentes à grande doutrina do marxismo-leninismo, que se tornou a bandeira dos trabalhadores de todos os países em sua luta pela causa da paz, da democracia e do socialismo, e por um futuro luminoso para os povos. As próximas décadas trarão à doutrina do marxismo-leninismo novas e grandiosas vitórias.

Os homens soviéticos sentem legítimo e profundo orgulho por nosso querido Partido Comunista — criado e educado pelo grande Lênin — e por nosso poderoso Estado socialista multinacional.

Sob a bandeira do leninismo, sob a direção do grande Partido Comunista, — avante!, para a vitória do comunismo!

 
2 Comentários

Publicado por em 16/08/2011 em História, União Soviética

 

Tags: ,

2 Respostas para “Pyotr Pospelov — O 50º Aniversário do Partido Comunista da União Soviética (1953)

  1. Paulo

    11/09/2011 at 22:46

    Esse Pospelov é um tremendo de um pilantra. Bajulador e apoiador de Nikita Khruschev, ele foi o responsável pela criação do chamado “Relatório de Pospelov”, que foi a base documental do “Discurso Secreto” de Khurschev. E ainda tem a cara de pau de falar em “oportunistas”.

    Mas é interessante notar o momento em que ele discursa acerca do culto ao indivíduo. Falando sobre o fato de ser uma atitude “não-marxista”, etc. Se vocês buscarem as famosas críticas de Stálin ao culto, verão que Pospelov repete quase as mesmas palavras de Stálin. E não só isso, são essencialmente as mesmas palavras utilizadas por Malenkov em uma reunião do Comitê Central em abril de 1953, reunião a qual Malenkov apresentou um projeto para a realização de um Plenum do Comitê Central para se discutir exatamente a questão do culto. Este Plenum nunca foi realizado, se tivesse sido realizado o “Discurso Secreto” de Khrushchev jamais teria se concretizado. No entanto, como Malenkov a esta época era um dos mais poderosos do Partido, sua linha de pensamento deve ter vigorado por algum tempo, talvez enquanto seu pedido pela realização de um Plenum do Comitê Central ainda não tivesse sido rejeitado.

    Portanto, isto deve ter refletido na escrita de Pospelov neste momento. E, ao meu ver, tudo isso reforça o caráter oportunista do historiador Pospelov, que jogava de acordo com a maré, sempre buscando o favorecimento da linha dominante do Partido, pouco se importando com uma linha correta de ação ou não.

     
    • xSGBDx

      13/09/2011 at 15:45

      Obrigado pelo comentário, camarada!

       

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: